unraccord

Django

Desde "Reservoir Dogs" (1992), para mim ainda o seu melhor filme, pois gosto daquela crueza lo-film, e porque logo na primeira obra se vê que estamos perante um cineasta a seguir, que sou fã dos filmes de Quentin Tarantino. "Django Unchained" (2012) não é uma obra-prima como "Inglourious Basterds" (2009) achei-o  previsível naqueles diálogos estupendamente bem elaborados, demasiado maneirista, e até mesmo rococó em algumas sequências, mas que se há-de fazer, Tarantino é um virtuoso, filma tão bem que até chega a enjoar. Este "Django Unchained" é um cocktail de "Inglourious Basterds" com "Kill Bill" (2003/04) que nos deixa atordoados. Quem não gosta de andar de montanha russa, também não deve apreciar estes filmes de Tarantino, mas eu adoro, e volto sempre a tirar bilhete, para mais uma voltinha. A crítica de Vasco Câmara do Ípsilon reflecte muito bem este "Django Libertado". Não esquecer que o "D" é mudo.