unraccord

i love you Wendy

"Wendy & Lucy" (2008) um filme de Kelly Reichardt, com Michelle Williams


Não são muitos os filmes que exigem de mim algumas pobres palavras, mas a dignidade absoluta destes 80 minutos de filme e a admirável interpretação de Michelle Williams levam-me a prestar-lhe este tributo. Filma-se o que é ser pobre no país dito dos mais ricos no mundo. Ah malvada mentira, dos vários documentários e ficções a que já assisti sobre uma suposta realidade de pequenas localidades do interior imenso dos EUA, nenhum foi mais justo com o meio social de pobreza, desemprego e desesperança como este magnifico "Wendy & Lucy". Sem moralismos e de um despojamento contido, todas as imagens, planos, sons e palavras se encontram neste filme num equilíbrio de fio-na-navalha, que não permitem nenhum desperdício. Aqui só acedemos ao que é essencial à existência e ao cinema.
Neste filme o cinema indie faz toda a justiça ao real sentido da palavra. Algum paralelismo entre o que tem a mais um curioso (e rico) filme como o Into the Wild de Sean Penn é aqui depurado, sem explicações e totalmente despretensioso, onde o silêncio e o cinema caminham a par da vida nos limites e na demanda de uma existência digna. Wendy, a personagem, é uma equivalente contemporânea de uma anti-heroína, agora numa paisagem de baldios americanos trilhados de comboios. Povoados de desesperados na terra dos sonhos que vivem o pesadelo de uma existência abandonada. A fuga aponta para Norte, na migalha da esperança, para encontrar um rumo. Gostaria muito de enviar para o Alasca, uma carta manuscrita (nada de email) a Wendy onde só lhe diria: i love you Wendy.