unraccord

este obscuro objecto do desejo

                                    Carole Bouquet               Angela Molina


Cet Obscur Object du Désir (1977) foi o último filme do aragonês Luis Buñuel (1900-1983). [...]
O filme baseia-se num romance de Pierre Louys [1870-1925], chamado La Femme et le Pantin. [...]
Duas actrizes, duas mulheres completamente diferentes: a loura e fria francesa Carole Bouquet e a morena e quente espanhola Angela Molina. [...]
Por puro acaso (como Buñuel contou) o realizador disse ao produtor: «Podíamos usar duas actrizes. Disse duas, como podia ter dito três ou dez, a brincar», contou ainda Buñuel. Mas o produtor tomou-o a sério e assim se fez. [...]
Ao contrário dos receios de Buñuel («vão pensar que são duas personagens diferentes») toda a gente aceitou e muitos até viram o filme sem perceber que a actriz não era a mesma. Foi o meu caso e foi uma das minhas grandes humilhações críticas. Quando vi o filme pela primeira vez, não reparei na diferença e só cá fora, quando gabei a intérprete, a minha companheira de visão me fez observar - atónita, porque consciente do seu estatuto «amador» face ao meu estatuto «profissional» - que não havia intérprete mas intérpretes.
Como confundi eu - que não me considero propriamente ignaro - um ovo com um espeto e Molina com Bouquet? Ainda hoje não sei explicar, mas é rigorosamente verdade. E, para engolir a vergonha, limito-me a aceitar a nada vergonhosa explicação de Buñuel: «É para que vejam que o cinema é uma espécie de hipnotismo.»


João Bénard da Costa
in "Os Filmes da Minha Vida/Os Meus Filmes da Vida". 
Assírio&Alvim, 2003.